Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

MICROCEFALOCRACIA: CONHEÇA OS SEUS RISCOS (bela crítica. Leia)

February 23, 2016

 

 A TRANSMISSÃO SE DÁ ATRAVÉS DA PICADA DA MOSCA AZUL DO PODER                                        

               Microcefalocracia é um mal que acomete países, Estados, ou cidades, infectando os poderes constituídos e suas autoridades nos diversos poderes.. os sintomas são claros e fáceis de detectar. O mais característico  - e que por isso acaba sendo usado para batizar a moléstia – é a capacidade reduzida de uso do cérebro no exercício do poder, resultando em governantes e parlamentares inaptos.

                                              

                Trata-se de uma síndrome com diversas formas de manifestações, que em alguns pacientes aparecem de forma combinada e assoladora. Falta de visão, incapacidade de ouvir, pensamento pequeno, insensibilidade ao problema alheio, dificuldade em se expressar (em alguns indivíduos, essa deficiência pode aparecer em sentido oposto, com extrema facilidade de expressão, mas com discurso alienado do real) estão entre elas.

                                              

               Há também a ocorrência de implicações psíquicas, como a negação da realidade, episódios de delírio, tendência de comportamento megalomaníaco e sensação de onipotência. Um dos principais aspectos do portador da microcefalocracia são as baixas taxas de espírito cívico e de autocrítica. O microcefalocrata não consegue programar em longo prazo e atua de forma obsessiva na preservação de seu poder.

                                              

              Mudanças de opinião súbitas, bipolaridade, compulsão por privilégios, talvez provocadas pela redução da capacidade cerebral, são identificadas com freqüência entre os portadores da síndrome. Também bastante comum nesses quadros é a mitomania, transtorno psicológico caracterizado por contar mentiras, algumas bem aceitas socialmente – em casos mais sérios pode levar a pessoa a ter dificuldade de separar o verdadeiro do fictício.

                                              

             A microcefalocracia alastra rapidamente. Algumas regiões do Brasil já apresentam situação de infestação endêmica.. A transmissão se dá através da picada da mosca azul do poder, que se reproduz com extrema facilidade em repartições, gabinetes públicos, palácios e parlamentos, sejam  municipais, estaduais ou federais. O vetor alimenta-se de ambição e propina e os maiores exemplares da espécie foram encontrados no Planalto Central brasileiro.

                                              

                Também são descritas grandes quantidades de casos de transmissão oral, já tendo sido registrados inclusive em gravações feitas por autoridades policiais, digo, sanitárias. Cleptomaníacos estão entre os mais suscetíveis a adquirirem a molécula. Do ponto de vista físico, a microcefalocracia não costuma causar danos aos seus portadores. Ao contrário, muitos deles, ao longo do tempo, costumam exibir sinais exteriores de prosperidade, tornam-se mais vaidosos e ganham peso. Os efeitos colaterais costumam atingir o ambiente ao seu redor e aqueles que dependem de suas decisões. E, então, são devastadores. A queda da imunidade social, por exemplo, é uma das decorrências mais relevantes.

                Por conta delas, todo um país pode ficar sujeito a manifestações oportunistas de pragas que se julgavam extintas, mas que estavam apenas incubadas, à espera de um momento de fragilidade de organismos políticos, econômicos e sociais. Desemprego, sarampo, inflação. Chikungunya, , déficits orçamentários, zika...

                                              

               A microcefalocracia atua em um processo degenerativo de instituições e cidadãos. Estes perdem empregos, entram em depressão, tornam-se alvo das desgraças produzidas pelos microcefalocratas e, quando procuram ajuda num órgão público, encontram o estado dilapidado e sem condições de lhes dar atendimento digno.

                                              

               Ainda não se descobriu cura para a microcefalocracia. Há, no máximo, paliativos como a reclusão dos governantes infectados em instituições corretivas. O combate à mosca azul do poder é imperativo e deve ser feito com a desinfecção dos ambientes em que ela se reproduz. É trabalho que leva tempo e exige empenho de todos. A lei e o voto são antídotos eficientes, mas precisam ser aplicados nas doses corretas. O primeiro pode ser usado desde já. O segundo,  daqui a oito meses. O caso do Brasil é de urgência.

Luiz Fernando Sá (Diretor de Mídias Digitais e Projetos da Editora Três) Fonte: Revista Isto É.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags