Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

VELEJAR NA LAGOA EM 2017...

          Melhorias podem ser vistas nos arredores da Casa do Baile, onde era comum encontrar nata verde de poluição que não existe mais (foto: Beto Novaes/EM/D.A PRESS)

A promessa de ver barcos circulando pela Lagoa da Pampulha e uma água mais limpa, livre do mau cheiro e das crostas verdes parece um pouco mais próxima. O prefeito Marcio Lacerda (PSB) divulgou resultados dos três primeiros meses dos trabalhos de despoluição química da represa, cartão-postal de Belo Horizonte, acompanhado da cúpula das secretarias de Obras e de Meio Ambiente. 
        Lacerda mostrou que, de cinco indicadores monitorados para avaliar as condições do reservatório, três já alcançaram índices suficientes para o objetivo final projetado pela prefeitura, que é adequar as águas ao padrão de classe 3, estipulado pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) para permitir a prática de esportes náuticos. Em relação aos parâmetros que ainda não alcançaram a meta, o gerente de Gestão das Águas Urbanas da PBH, Ricardo Aroeira, destaca que faltam cinco meses para o prazo fixado, já que a obrigação do consórcio contratado para o serviço é enquadrar todos os índices em novembro.
       Otimista com os resultados, Lacerda chegou a afirmar que planeja velejar na represa em 2017, quando não mais estará à frente da prefeitura. A PBH está investindo R$ 30 milhões na contratação da tecnologia, que usa dois produtos químicos remediadores para tratar a água. O contrato prevê ação direta até dezembro deste ano e monitoramento dos resultados por 12 meses. Analisando as amostras de água coletadas na lagoa em março (que serviu de ponto de partida), abril e maio, foi possível observar redução da presença de matéria orgânica, coliformes termotolerantes (fecais) e clorofila-A, ao ponto de ficarem abaixo do limite considerado para classe 3. 

          No caso do fósforo total também houve redução, mas ainda não suficiente para alcançar o padrão. A presença de cianobactérias, porém, chegou a aumentar ligeiramente no período (veja arte). Mesmo assim, o resultado foi comemorado. “É uma grata surpresa, porque as metas já estão sendo alcançadas antes do prazo contratado”, afirma Ricardo Aroeira.

 

CONJUNTO ARQUITETONICO DA PAMPULHA DEVE SE TORNAR PATRIMONIO CULTURAL DA HUMANIDADE

 

        Igreja de São Francisco de Assis, um dos marcos do conjunto às margens da lagoa: definição internacional deve sair antes da despoluição da água (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)

A esperada decisão da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) sobre a candidatura do conjunto arquitetônico da Pampulha ao título de patrimônio cultural da humanidade deve sair mais cedo do que o previsto. A entidade anunciou ontem que a votação será antecipada em cinco dias. Segundo o presidente da Fundação Municipal de Cultura (FMC), Leônidas Oliveira, o conjunto projetado por Oscar Niemeyer será avaliado às 9h (horário de Brasília) de 15 de julho, em Istambul, na Turquia.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags