Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

ELEIÇÕES MUNICIPAIS – 2016

September 9, 2016

 

VOTO NÃO TEM PREÇO, TEM CONSEQÜÊNCIAS

            Estamos nos aproximando das eleições do dia 02 de outubro, momento em que devemos unir as nossas preces e pedir a luz do Espírito Santo para que possamos exercer bem o nosso direito de votar. A Igreja desde Puebla, Medellim, tem convocado os fiéis leigos a ocuparem os cargos públicos como PROTAGONISTAS DA FÉ NO MUNDO DA POLÍTICA. É comum se ouvir: política não se discute ou ainda política e religião não se misturam. São opiniões que ouvimos com freqüência, são argumentos que muitos usam para fugirem às responsabilidades, talvez. Como já disse aqui dezenas de vezes, “não sou candidato a nada”! Desde a década de setenta, - no final da década, quando eu fazia meus vinte anos – recebo convites, indicações para concorrer ao cargo de vereador. Não aceitei àquela época, - eu era um daqueles que acreditava que política e religião não se coadunam – não acreditei posteriormente – já não comungava dessa opinião, mas simplesmente a política não me atrai -  me recuso aceitar no presente e asseguro-lhes que não aceitarei futuramente tal convite.

            Confesso que fico lisonjeado quando tomo conhecimento de que alguém disse que eu deveria pleitear uma vaga e que eu daria uma contribuição ímpar para o município atuando no Legislativo. Quando isso me é dito diretamente por alguns amigos, fico desconcertado e digo sempre não. Quando insistem na questão, me aborreço. Não externo minha irritação por uma questão de conduta, não desejando ser deseducado com ninguém. Mas na verdade, me impacienta o fato de eu dizer não e não tantas vezes e ouvir de meu interlocutor a insistente pergunta, os mesmos argumentos. Por que não? Porque não tenho aptidão para a política e porque acredito que posso ser útil sem ser membro da Casa Legislativa. Já o disse isso também aos candidatos ao cargo e àqueles que exercem ou exerceram tal cargo, que contem comigo na elaboração e execução de projetos.

            Em 1994, entrevistei o deputado federal Osmânio Pereira de Oliveira no_ 4570 e o deputado estadual Miguel Martini No_ 45199, ambos indicados pela Coordenação Arquidiocesana da RCC de Belo Horizonte. Outros nomes como o músico, cantor e compositor Eron Biondine, Gabriel Chalita e tantos outros ocupam cargos públicos e dão sua contribuição. Para esta eleição municipal de 2016, outra vez temos uma variedade de bons nomes que deseja se eleger com o seu voto e, você pode contribuir para que ele alcance o seu objetivo. Vote consciente, pois voto não tem preço, tem conseqüências ...

           

FIM À IMPUNIDADE PARA O CRIME DE COMPRA DE VOTOS

 

Em 1999, o Congresso Nacional após deliberar em tempo recorde, 35 dias, aprovou o primeiro Projeto de Lei de Iniciativa Popular, apresentado com mais de um milhão de assinaturas. Foi decretado e sancionado pelo Presidente da República, em 28-09-1999, a Lei No_ 9840, um novo instrumento para acabar com a impunidade do crime de compra de votos, flagelo de nossa democracia. Lembro-me que eu disse num dos editorias do NT da época que, com a sansão dessa Lei, “o ano de 200 poderá ser o ano da limpeza, se nas eleições municipais exigirmos o cumprimento efetivo da Lei 9840/99, e se nas urnas, através do voto, eliminarmos os políticos aproveitadores que exploram  as carências populares para conquistar mandatos e exercê-los unicamente em seu próprio proveito”.

            Por todo o país, - no nosso município não -  instalaram-se “Comitês 9840, para fiscalizar o cumprimento da nova Lei, fazendo também um trabalho educativo sobre o valor e a importância do voto como exercício do poder do cidadão, no momento em que ele delega esse poder a outros cidadãos. Há no Brasil, um grande número de eleitores com baixo nível de consciência política, permitindo que políticos inescrupulosos se elejam trocando por votos o atendimento de necessidades materiais imediatas dessa parcela da população. Esses políticos inescrupulosos, não querem terminar com as carências do povo, são mentores da corrupção, fazem a exploração eleitoral da miséria. No dia 02 de outubro, não venda seu voto, Voto não tem preço, tem conseqüências ...  Vote com consciência, Vote com qualidade, Diga não à corrupção eleitoral.

            Outro dia vi num telejornal um insensato juiz, deliberando em favor de políticos que estavam impossibilitados de se candidatarem e mais: disse o estúpido, que a Lei da Ficha Limpa foi feita por bêbados, que ela não fora bem elaborada e que ela deixa brechas para más interpretações e outras  - a meu ver, que sou um Zé Ninguém – baboseiras. Um projeto de Lei de Iniciativa Popular, que atendia as aspirações do povo ali representado por mais de um milhão de assinaturas e vem um infeliz a dizer essas asneiras, a contribuir com os corruptos, a apostar nos fichas sujas, alçando-os novamente aos cargos públicos. A OAB disse que o tal juiz responderá sobre essa sua acusação, sobre essa sua fala irresponsável. Podemos até dizer que não mudou muita coisa, mas daí a dizer que a iniciativa é ruim, que a Lei não contribui em nada, é uma tremenda insensatez. E o povo sabe que muita “gente boa” tornou-se inelegível graças à Lei 9840, a Lei da Ficha Limpa.

Fernando M. Ribeiro

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags