Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle

January 22, 2020

Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

FESTA DO CACHOEIRENSE

November 1, 2016

 

FESTA DO CACHOEIRENSE: DIA DE ALEGRIA, DIA DE REENCONTROS, DIA DE CELEBRAR

 

            Todos comemoram e muitos nem sabem por quê. Todos aproveitam a festa, muitos não sabem o motivo da festa: comemorar o dia de aniversário da cidade. Comemorar o fato de pertencer a um lugar, de fazer parte de um povo. Isso é muito bom, ter um lugar pra dizer aqui é “meu lugar”. No entanto, sempre escuto pessoas falando mal da cidade onde nasceram e onde vivem. Há 39 anos moro em Muriaé, foi uma opção, em busca de trabalho e de um pouco mais do saber. Aqui estudei, aqui trabalho, faço amigos, ergui a minha casa, constitui família, construí parte importante de minha vida. Gosto daqui, como gosto! Mas sou filho de uma Cachoeira Alegre, amo minha terra... E essa alegria, esse amor, ninguém me rouba. Por alguma razão me distancio de Cachoeira, mas esse afastamento é momentâneo, não dura muito tempo; porque na realidade, nunca arredo o pé de lá e, no meu pensamento a levo aonde vou.

 Em Cachoeira é que teve inicio a minha história num dia de janeiro de 1957. Em Cachoeira dei meus primeiros passos, balbuciei as primeiras palavras, li as primeiras sílabas, formei frases... Foi para Cachoeira que escrevi o meu primeiro poema. Em Cachoeira quedei-me aos pés do altar da Matriz, para receber a Primeira Eucaristia. Cachoeira é para mim, muito mais que um retrato na parede. Cachoeira vive em mim, como viva está – ou pelo menos, tento manter - sua história, no Museu de Arte Sacra.  Em Cachoeira, com a simplicidade das crianças e o entusiasmo da juventude escrevi os primeiros capítulos de minha existência. Outros capítulos vêm sendo escritos com extrema sobriedade, com os familiares, os amigos, a religião, a fé, a música, o jornal e, como toda história que se preza, tento deixar minha mensagem. Afinal, essas lembranças ajudam a contar a nossa história, memórias elevam a auto-estima e a dignidade do cidadão, mostrando aos novos de onde viemos e o porquê de estarmos aqui.

Não gosto de ouvir as pessoas falando mal desta terra, afinal de contas não é este o lugar aonde elas pertencem? Se falamos mal da nossa família ou da nossa cidade é de nós que estamos falando. Há uma história que conta o seguinte: No meio do deserto havia um maravilhoso Oásis, por onde os viajantes passavam e onde alguns resolviam morar. O portão de entrada era guardado por um velho. Um dia um rapaz chegou e perguntou ao velho: quem e como eram as pessoas que ali viviam. O velho perguntou ao rapaz: “Que tipo de pessoas existe lá no lugar de onde você veio?” O rapaz respondeu: - “Um bando de egoístas, pessoas maldosas, sem consideração uns com os outros. Estou feliz por ter saído de lá”. O velho respondeu: - “O mesmo tipo de pessoas você encontrará por aqui”.

À tarde do mesmo dia, um outro rapaz apareceu e perguntou que tipo de pessoas viviam ali, ao que o velho respondeu: - “Que tipo de pessoas vivem lá de onde você veio?” O rapaz contou que era “um lugar de gente boa, pessoas educadas e gentis, onde todos se ajudam. Fiquei triste de ter que sair de lá!” O velho respondeu que não se preocupasse pois o mesmo tipo de pessoas encontraria ali.

            Um homem que estava perto e ouvira as duas respostas tão diferente para a mesma pergunta, ficou curioso e pediu explicação ao velho. E ele então explicou que, “cada um carrega em seu coração o meio ambiente em que vive”. Aquele que nada encontrou de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui. Aquele que encontrou amigos ali, também os encontrará aqui. “Somos todos viajantes no tempo e o futuro de cada um de nós está escrito no passado, ou seja, cada um encontra na vida, exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo.”

            Pois bem. Eu sei que Cachoeira apresenta muitos problemas. Mas não adianta ficarmos sentados reclamando. Temos que nos levantar, arregaçar as mangas e juntos com outros buscar encontrar maneiras de melhorar o “nosso lugar”. Podemos, todos juntos, construir um futuro melhor para Cachoeira e seus habitantes. Cada um de nós é responsável para, ao lado do governo municipal, empreender ações para transformar Cachoeira na cidade que gostaríamos que fosse. Parabéns a você que é cachoeirense, a você que vive aqui e a você que nos honra com a sua visita.  Boa leitura e aproveite a festa!

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags