Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

19 DE ABRIL: DIA DO ÍNDIO

POBREZA E PRECONCEITO MARCAM CONDIÇÃO DE VIDA

       a Baby Consuelo ou Baby do Brasil - como ela quer que seja -  canta, numa de suas canções: "Todo dia era dia de Índio. Mas agora eles só tem o dia 19 de abril"! Será? Acho que só mesmo no calendário, pois o que vemos são índios serem expulsos de suas terras e serem dizimados.  Na verdade, a maioria dos índios do Brasil vive em situação de pobreza, tem dificuldade de conseguir emprego e a principal renda vem do artesanato. Preconceito é mais comum com os 315 mil índios que vivem nos centros urbanos brasileiros. Há muito tempo, a floresta amazônica deixou de ser o lar de milhares de indígenas. A escassez de alimentos, o desmatamento e o avanço das cidades sobre as matas são alguns fatores que motivaram povos tradicionais a migrar para áreas urbanas.

         Em Manaus, no Amazonas, eles podem ser encontrados em todas as regiões da cidade. A Fundação Estadual do Índio estima que de 15 a 20 mil indígenas de diversas etnias vivam em áreas urbanas amazonenses, como os sateré-mawé, apurinã, kokama, miraña, dessana, tukano e piratapuia. “Acredito que 90% dos bairros de Manaus tenham indígenas morando”, informou o presidente da Fundação Estadual do Índio, Raimundo Atroari.

        Apesar de buscar melhores condições de vida na cidade, a maioria dos indígenas vive em situação de pobreza, tem dificuldade de conseguir emprego e a principal renda vem do artesanato. “Geralmente, as comunidades estão localizadas em área de risco. Nunca é numa área boa. A gente sente muita essa dificuldade de viver na cidade. A maioria dos Sateré daqui da aldeia está no trabalho informal, sem carteira assinada.

        A maior parte fica dentro da aldeia trabalhando com artesanato. A gente consegue gerar uma renda mais no mês de abril quando o público procura. Fora isso a gente fica dependendo de doações”, contou o tuxaua ou cacique Moisés Sateré, líder de uma comunidade no bairro da Paz, zona oeste de Manaus, onde vivem 14 famílias.

Este conteúdo foi produzido pelo Sistema Jornal do Comércio de Comunicação.

Foto: Marcelo Camargo  -  Agência Brasil

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags