Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

A QUEDA DE AÉCIO NEVES

May 24, 2017

SUA CANDIDATURA À PRESIDÊNCIA É HOJE UM PLANO SEPULTADO

 “Flagrado em negociações cabeludas, Aécio Neves perde o comando do partido, é afastado do mandato de senador e sela seu obituário político”.

       Trinta e um meses transcorreram em que Aécio Neves saiu consagrado com 51 milhões de votos da disputa  perdida para Dilma Rousseff e a tarde em que, pela tela do celular, enxergou o começo de seu fim. Ex-candidato à Presidência da República, governador de Minas duas vezes, ex-deputado federal e ex-secretário de Tancredo Neves, Aécio encerrou a pior semana de sua vida política na condição de senador afastado, ameaçado de ter o mandato cassado e cidadão impedido pela Justiça de deixar o país. Teve o primo preso, viu a irmã sendo levada à cadeia e sabe que ele próprio não foi para trás das grades por obra e graça do sacrossanto foro privilegiado. Fachin deixou claro que, se o tucano não fosse sedador, ele deveria ser preso por tentar embaraçar a Lava-Jato.

     Aécio estava no plenário do Senado quando, pelo celular, leu a notícia publicada pelo colunista Lauro Jardim, do Jornal O Globo. O empresário Joesley havia gravado a conversa em que Aécio lhe pedia 2 milhões de reais para, alegadamente, pagar seu advogado na Lava-Jato. A mesma notícia dava conta de que o amigo Joesley se tornara um delator premiado, que, nessa condição, havia gravado também o presidente Michel Temer e que as conversas já estavam em poder da Lava-Jato. Câmeras registraram o momento em que Aécio com feição transtornada, deixou o plenário às pressas.

      Aécio e Joesley tornaram-se amigos de fato quando o tucano passou o réveillon de 2014 na casa de Joesley em Angra. A intimidade entre os dois pode ser medida pela eloquência com que o senador pede ao empresário que use de sua condição de “financiador” para pressionar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, a pautar a votação do projeto de anistia do caixa dois:

- “O cara, Cê tinha que mandar, Cê tem ajudado esses caras pra c....., tinha que mandar um recado pro Rodrigo, alguém seu, tem que votar essa m..... de qualquer maneira, assustar um pouco. Eu tô assustando ele, entendeu”?, disse na conversa pródiga em palavrões que manteve com Joesley no ultimo dia 24 de março, sem saber que estava sendo gravado .

       Desde o momento em que soube das gravações até à noite de quinta feira, Aécio alternou crises de choro, goles de uísque e conversas com advogados. Atendeu a poucas ligações e ignorou até mesmo telefonemas de assessores próximos. Antes de ser tragado pela Lava-Jato, Aécio chegou a figurar como nome natural do PSDB nas eleições de 2018. Hoje, isso é um plano sepultado. Assim como o plano do José Serra, que também foi citado por Josley como receptor de 6 milhões de reais em caixa dois.

      Aécio já pensava em desistir de concorrer ao Senado e candidatar-se à Câmara dos Deputados, de forma a preservar pelo menos o foro privilegiado. Alvo de sete investigações so STF, agora terá de enfrentar também os processos que decorrerão das denúncias de Joesley. Pior; se perder o mandato de senador, terá de responder à Justiça como réu comum. Para o tucano, o fundo do poço ainda não chegou.

Ana Clara Costa – Revista Veja

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags