Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

HOJE TEM FESTA NO CÉU: JESUS VOLTA À CASA DO PAI

Encerrando o mês de maio

     A Igreja católica celebrou no domingo, 28-05-2017 a Ascensão do Senhor. Celebramos também o Dia das Comunicações Sociais, instrumentos essenciais para a propagação do Evangelho, e o início da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. O Cristo glorioso deseja a comunicação de todos os que professam o amor em seu nome. Ao encerrar as festividades de Maria, encerra-se o mês de maio e, ao concluir mais uma edição, o Portal Novo Tempo quer falar um pouquinho desses temas.

     A Ascensão do Senhor vai encerrando o ciclo das grandes celebrações memoriais de nossa fé. O Ressuscitado, Palavra Eterna, retorna ao sei do Pai. Sua humilhação na carne ver reste-se agora na exaltação divina – Ele é o Senhor da História, está eternamente à direita do Pai! No sábado, pela manhã, antecipando-me às leituras da Liturgia diária, lia e fazia uma reflexão sobre as leituras de domingo e pensei: “Hoje, o céu está em festa – apesar de achar que o céu é uma festa constante – pois Jesus volta à Casa Paterna. Depois de 33 anos pelas bandas de Nazaré, Belém, Galiléia, Cesaréia, às margens do Rio Jordão, o lago de Genazaré, Caná, Bethania e outras cidades; depois de todo esse tempo aqui com a gente; Jesus estava, com certeza, com uma saudade enorme do Pai e por isso mesmo com um desejo gigante de retornar à Pátria Celeste.

     Só que, apesar de toda a saudade, do desejo ardente de abraçar o Criador do Universo, Jesus depois de dar a Sua vida por amor a nós; Ele nos amava tanto, que a sua porção humana – rosto divino do homem e rosto humano de Deus – já imaginava também a saudade que teria de todos nós. O que faz então Jesus? Institui a Sagrada Eucaristia. Ele se faz Pão Eucarístico para permanecer bem pertinho de nós. Mas isso á assunto para outro dia, - a festa de Corpus Christi, talvez – O cuidado de Jesus para com os seus amados é tão grande que Ele não os abandonará. Essa promessa se realizará plenamente em Pentecostes.

       Sabendo Jesus, que um dia nos deixaria, Ele instrui os seus discípulos. O que ouvimos nas leituras neste período pascal é uma espécie de “testamento”, em que o Mestre vai nos revelando os fatos vindouros: “Pouco tempo, e não me vereis, e outra vez pouco tempo, e me vereis de novo. Eu vou para junto do Pai”! “Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e lamentareis, mas o mundo se alegrará, vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria”. “Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai”. São apenas algumas das muitas exortações que Jesus fez.

       Um testamento só é aberto depois do passamento daquela pessoa, quando então se lê todo o seu conteúdo, revelando o que nele está explícito. Jesus, faz o mesmo, revela ao discípulos que também eles sentirão saudade, mas “Eu estarei convosco todos os dias”! Fala das dificuldades que enfrentarão, que serão perseguidos, e humanamente ninguém persevera numa realidade difícil, se não for pela fé e entrega da vida.

       A Ascensão nos mostra o encontro final de Jesus com seus discípulos, lá na Galiléia. Eles o reconhecem, o adoram, mas também recebem de Cristo ressuscitado a nobre missão: “Ide, e fazei discípulos meus todos os povos”. O cristão batizado é continuador dessa missão. Não nos falta ocasião para exercermos nossa função de missionários: em casa, no trabalho, no lazer, na escola, na Comunidade, na Paróquia... O amor e a verdade de Cristo não têm fronteiras, por isso, não depende de raça, de cultura, de nação, pois é a verdade para toda a humanidade. Olhemos para o céu, para o nosso destino, mas não nos esqueçamos que o Senhor conta conosco aqui e agora. Portanto, caminhemos na fé, mas com os pés no chão.

 

 

DIA DAS COMUNICAÇÕES SOCIAIS PROMOVENDO UMA CULTURA DO ENCONTRO

        O Dia Mundial das Comunicações Sociais instituído pelo Papa João XXII, foi comemorado pela primeira vez em 07 de maio de 1967. Veja o que diz o Papa Francisco em sua mensagem para este dia, cujo temo é: “Não tenhais medo, que Eu estou contigo. Comunicar esperança e confiança no nosso tempo” O tema da mensagem do Papa para este dia, foi divulgado no dia litúrgico de São Francisco de Sales, patrono dos escritores e jornalistas, celebrado em 24 de janeiro. Com este tema, Francisco propõe um estilo “aberto e criativo” para comunicar a esperança. Por isso, encoraja todos os que trabalham neste campo a comunicar de modo construtivo, rejeitando preconceitos e promovendo uma cultura do encontro.

         Com este tema, Francisco propõe um estilo “aberto e criativo” para comunicar a esperança. Por isso, encoraja todos os que trabalham neste campo a comunicar de modo construtivo, rejeitando preconceitos e promovendo uma cultura do encontro.

       Com efeito, em sua mensagem, o Santo Padre ressalta: “O protagonista da notícia não pode ser o mal – que nos leva à apatia, ao desespero e a anestesiar a consciência –, mas a solução dos problemas, com um estilo aberto e criativo”.

          ”Em um sistema de comunicação, - frisa o Papa - onde vigora a lógica de que uma notícia boa não desperta a atenção e, por conseguinte, não se torna notícia, e onde o drama do sofrimento e o mistério do mal facilmente se tornam espetáculo, somos tentados a anestesiar a consciência ou a cair no desespero”.

A realidade não tem um significado unívoco - afirma o Papa -; tudo depende do modo com que a encaramos. Portanto, o ponto de partida ideal, para se encarar a realidade, é a “Boa Nova por excelência”, ou seja, o Evangelho de Jesus Cristo.

         Esta boa notícia, - diz por fim Francisco – comporta sofrimento, porque o sofrimento é vivido num quadro mais amplo, como parte integrante do amor de Cristo ao Pai e à humanidade. Em Cristo, - concluiu o Pontífice - Deus se fez solidário com toda a situação humana, revelando que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que nunca esquece seus filhos. (MT)

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags