Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle

January 22, 2020

Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

UMA VISITA AO SANTÍSSIMO

July 21, 2017

     Estou em casa, pensei em entrar no wix para acessar o meu site e fazer novo post, no portalnovotempo.com. Pensei em ler algo, jornais, revista Veja, livros ou qualquer outra coisa que tenho para ler. Pensei em assistir a um DVD. Liguei a TV. Tenho estado com sono – talvez em virtude de alguns remédios de que venho fazendo uso contínuo e o organismo ainda não assimilou – e tentei dormir. O telefone aqui em casa é bastante indiscreto, nos importuna o dia inteiro e não me deu sossego. Ainda deitado tentei rezar, mas o interfone tocou – era Gabriel, irmão de Conceição – me levantei e a tentativa de dormir e de rezar se foram. Ah, músicas é uma terapia. Quanto tempo não ouço músicas durante o dia – só à noite num pendrive, na cabeceira da cama – e sendo a música dos deuses, ela nos eleva, nos transporta para outros lugares, outro mundo e, também  absorve, pensei. Se eu soubesse praticar ioga eu faria agora, numa tentativa de relaxamento, de estar noutra sintonia, mas não consigo, pois, tenho muita dificuldade de me concentrar.

           “Uma visita ao Santíssimo Sacramento”. É esse o título de um livro que comprei recentemente. Adquiri também na mesma ocasião: “Eucaristia, Nosso Tesouro”, de Mos. Jonas Abib e “Que os Anjos digam Amém” de Padre Márlon Múcio.  “Uma visita ao Santíssimo”, de Dom Bosco é que estava sobre a mesa da sala. Nele estava escrito, na contra-capa. Não, não é na contra-capa e sim na capa – não na capa frontal, mas na capa que encerra o livro –: “Quereis que o Senhor vos dê muitas graças? Visitai-o muitas vezes. Quereis que Ele vos dê puçás graças? Visitai-o poucas vezes. Quereis que o demônio vos assalte? Visitai raramente Jesus Sacramentado. Quereis que o demônio fuja de vós? Visitai Jesus muitas vezes. Quereis vencer o demônio? Refugiai-vos sempre aos pés de Jesus. Quereis ser vencidos? Deixai de visitar Jesus. Meus caros, a visita é um meio muito necessário para vencer o demônio. Portanto, ide frequentemente visitar Jesus, e o demônio não terá vitória contra vós”.

        Aí está a senha. Aí está um recado para mim. Saí, as 15:30h para esse encontro sugerido por Dom Bosco e inspirado pelo Espírito Santo. Na verdade, era minha intenção, já pela manhã, fazer tal visita depois de retornar da consulta. Só que diante do ocorrido – a notícia não era a desejada – não mais pensava em fazê-la. Precisava visitar Jesus, havia necessidade, havia também vontade, mas, algo me impedia. O título e a escrita da capa do livro eram um sinal, uma seta a indicar-me o caminho e eu fui.

       De fato, o Sangue de Jesus, derramado em Sua Paixão e Morte na Cruz, foi o altíssimo preço pago para nossa salvação e reconciliação com Deus Pai: “Foi castigado por nossos crimes, e esmagado por nossas iniquidades...” (Is 53, 5a). Somente por amor, mesmo sendo Deus, Jesus assumiu nossa humanidade, “Se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1, 14a). Nasceu na pobreza da manjedoura e até os 30 anos viveu ocultamente na aldeia de Nazaré. Nos três últimos anos de sua vida, passou por toda a Galileia semeando o Amor e a Paz. Todos os d’Ele se aproximaram, tiveram suas vidas radicalmente transformadas e foram curados física e espiritualmente.

       A Divindade de Jesus afugentava todo o mal! Sua Humanidade emanava da obediência ao Pai e extrema humildade! Seu olhar, cheio de Misericórdia, enxergava até o mais profundo dos corações! E Suas Mãos, que “vieram para servir e não para serem servidas”, tocavam, libertavam e curavam imediatamente. Mas, essas Mãos, que só fizeram o bem, foram injustamente perfuradas e pregadas numa cruz. Destas Mãos ensanguentadas jorrou o Sangue Redentor pelo qual agora clamo. Clamo e creio que com o Teu precioso sangue, curas, libertações, bênçãos e milagres acontecerão na minha vida, na minha família, na vida da minha paróquia e daqueles que convivem comigo. Creio firmemente porque já testemunho muitos desses milagres ao longo da minha vida.

        Disse Dom Bosco: A adoração é o primeiro ato da virtude da religião. Adorar a Deus, é conhecê-LO como Deus, como o Criador e o Salvador, o Senhor e o Dono de tudo o que existe, o Amor infinito, o misericordioso. “Adorarás o Senhor teu Deus e só a ele prestarás culto”. (Lc 4,8), diz Jesus, citando o Deuteronômio (6,13). Adorar a Deus e, no respeito e na submissão absoluta, reconhecer ‘o nada da criatura’, que não existe a ser por Deus. Adorar a Deus é, como Maria no Magnificat, louvá-lo, exaltá-lo e humilhar-se a si mesmo, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que seu nome é santo. A adoração de Deus único liberta o homem de se fechar em si mesmo, da escravidão do pecado e da idolatria do mundo (CIC2096, 2097).

      O referido livro me ajudou a conduzir minhas orações diante do Santíssimo Sacramento. Porém, a maior parte do tempo, ali fiquei a olhá-Lo, a imaginá-lo, a adorá-Lo, a admirá-Lo, a amá-Lo com todo o meu amor. Conversei com Ele, pedi sim que viesse em meu auxilio, que abençoe minha família, que olhe pela minha paróquia, pela minha Cachoeira Alegre... Mas a maior parte do tempo, me mantive calado. Somente a contemplá-Lo, com o desejo de tocá-Lo e com a promessa de que o faria logo mais, quando fosse participar da santa Missa e receberia a Sagrada Eucaristia.

          Agora, quando faço esses registros, já retornei da Missa, - Conceição não foi – estou em casa. Assistimos juntos a novela Força do Querer, o Globo repórter e a série “ Os dias eram assim"... Conceição está dormindo. Também eu havia me deitado, mas me levantei no meio da noite – momento em que faço esses registros. (numa madrugada de inverno).

Fernando M. Ribeiro

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags