Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

COMO IDENTIFICAR E SER FIEL À MINHA VOCAÇÃO?

        Nesse mês de agosto, mês vocacional, a prática pastoral da Igreja motiva as reflexões nesse sentido e chama a consciência social a pôr-se a serviço dos outros nos projetos comunitários, na vida pública etc. jovens e adultos são orientados no processo que define o rumo pessoal a tomar na vida. Formar a consciência sobre vocações nos faz cientes dos dons recebidos de Deus. Leva à busca da verdade, justiça, amor sincero e respeito aos valores humanos e cristãos. E a apostar a vida com profunda doação de si.

     Assim, convites e expectativas vão se abrindo no horizonte nessa nossa curta passagem por esse mundo. O turbilhão de propostas anexas à cultura do descartável pressiona o vocacionado, mas ele acolhe no intimo o impulso para centralizar-se e se descobrir nos outros. Cada um está em “saída de si mesmo”, conforme se expressa o Papa Francisco.

     Cultivar a consciência vocacional significa discernir entre realidade e , ilusões e falsas motivações. Testes vocacionais, estágios, encontros de jovens, retiros, etc, favorecem o autoconhecimento e a opção fundamental na vida. O senso crítico e o discernimento nos libertam das amarras culturais: afã de consumo, mídia, modismos. Há o diálogo humilde com Deus na escuta da Palavra, na oração e na participação na comunidade. Esta, aliás, é o terreno fértil da a animação vocacional, também para padres e religiosos continuarem  fiéis.

     Mas, na definição e na perseverança vocacional, não há espaço para improvisação, mero entusiasmo, atração por status social, motivações arrivistas e oportunistas nem decisão meramente subjetiva e individual. Enfim, no conceito bíblico-cristão, vocação é a estrutura inicial do “ser-em-Cristo a nova criatura” (2Cor: 5-17). O caminho da vocação exige olhar profético sobre a realidade ao redor: sofrimento, exclusão e negação da vida humana e sua dignidade. O chamado de Deus é certeza vivida na fé, acalentada nas dores e alegrias do cotidiano, mesmo que não se manifeste logo na psicologia do candidato preocupado em classificar sua vocação ou lhe ser fiel.

     Grande perigo hoje na opção vocacional e na fidelidade em seguir Jesus, é a cultura do carreirismo. Se isso pesar na decisão de ser padre, religioso ou casar-se, a vivencia pós-vocacional levará a frustrações de ordem pessoal, comunitária ou eclesial. Cabe a cada um de nós abraçar com garra os apelos que brotam no intimo, conforme os dons dados por Deus, bem como os “sinais dos tempos”, o clamor por justiça, caridade e respeito que sobe dos humildes e dos corações retos. A perspectiva jubilosa e angústia profética são inseparáveis da vocação, em especial na sacerdotal e consagrada.

Padre Antônio Claylton  Sant’Ana.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags