Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle

December 3, 2019

Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

ELA BRILHA EM “OS DIAS ERAM ASSIM”. SÉRIE DA TV GLOBO

August 12, 2017

11 DE AGOSTO: DIA DA TELEVISÃO

 

          Eu nasci na Alemanha. Meu pai foi trabalhar lá e conheceu a minha mãe, que é alemã mesmo, bióloga por formação. Os dois se casaram depois de seis meses juntos. Foi um amor fulminante. Depois viemos morar no Brasil quando eu tinha oito anos. Essa é Sophie Charlotte, que vive a personagem Alice em “Os dias eram assim”, série da TV Globo. Tenho assistido aos episódios e a atriz está brilhando no papel da estudante e fotógrafa que quer transformar o mundo à sua volta.

     Em 2007, aos 18 anos, Sophie Charlotte Wolf Silva estava prestes a passar por uma revolução pessoal. Depois de pequena participação em “Páginas da vida”, ela conquistava sua primeira protagonista: Angelina Maciel, na 15ª temporada de Malhação. A presença da mãe não mais se fazia necessário nos estúdios de gravação, pois a moça acabava de completar sua maior idade. Deixou a casa dos pais em Niterói e foi dividir um apartamento com uma colega de elenco. Mais do que isso, fazia-se urgente abraçar o ofício de atriz e provar para o mundo que conseguiria sobreviver dessa paixão.

     “Aquele foi um momento bem emblemático para mim, de ruptura e transformação. Eu queria conquistar um lugar de respeito na minha profissão, emendar bons personagens, provar para mim mesma, para minha família e meus amigos que eu poderia me sustentar do que eu adorava fazer, que não seria só um hobby. Estava sobre os holofote, e liberdade e responsabilidade se equilibravam: eu era dona do meu próprio tempo e das minhas escolhas, mas tinha que seguir horários, decorar textos, entender que eu tinha voz na sociedade como formadora de opinião. Fui acertando, errando, me perdoando, um processo de aprendizagem contínuo. A palavra que me definia era entusiasmo, eu me entregava mesmo. E, por isso percebo que não mudei tanto assim – relembra a atriz em entrevista a Naiara Andrade, na Revista Canal Extra.

      Uma década depois – completou 28 anos no dia 29 de maio, revive o frescor dos seus 18, mais uma vez como protagonista. Agora, da supersérie, das 23h, que vem obtendo um bom índice de audiência. Sophie vive uma estudante de Letras, apaixonada por fotografia. No Rio de Janeiro dos anos  1970 e 80, onde as ideias conservadoras e a ditadura estão na mira de uma juventude inquieta, as características questionadora e libertária da personagem se sobressaem.

     A atriz é casada com o ator Daniel de Oliveira – que foi casado com a atriz Vanessa Jácomo, com quem tem dois filhos – e tem com ele um filho, Otto, de 1 ano e 4 meses, diz saber dos muitos desafios que tem pela frente ao prepara-lo para um mundo que se mostra cada vez mais agressivo em todos os sentidos. Sophie está casada a um ano e oito meses, com quem divide a responsabilidade da educação do pequeno Otto. Os dois se apaixonaram em 2014 durante as gravações do memake de “O Rebu”, outra trama das 23h, que também assisti. E agora repetem o par romântico em “Os dias eram assim”. Aliás, o elenco é de primeira linha do time da Globo: Natália do Vale; Ricardo Blat; Marcos Palmeira; Letícia Spiller; Caio Blat, Marco Ricca; Susana Vieira; Antônio Calloni;  Cássia Kis; Carla Salle, Bárbara Reis; Gabriel Leone; Maria Casadevall; Renato Góes e outros.

     Além de romance, questões políticas e sociais se entrelaçam no enredo da supersérie que foi gravada no Rio de Janeiro e no Chile. Se você ainda não viu, vale a pena dar uma olhada, pois os episódios trazem cenários belíssimos, artistas talentosos, um bom enredo que retrata um período da repressão – em que tudo era proibido, em que nada se podia sem a prévia autorização dos militares – da Censura e hipocrisia de muita gente que agora posa de santinho. Recomendo principalmente para os mais jovens que não tendo vivido tal período, possam conhecer um pouquinho que seja, para ver as atrocidades que alguns militares cometiam – se sentiam os donos do mundo, se achavam acima da lei – e pensar com mais profundidade, refletir com mais seriedade sobre o assunto; para não saírem por aí a dizer que só os militares dão jeito no nosso País. E que o tal Bolsonaro é a solução. O conhecimento é fundamental para que façamos nosso juízo acerca de qualquer que seja o assunto. Para que sejamos coerentes ou não, mas, que ao emitirmos nossa opinião, ao expressar nossas ideias, as façamos com conhecimento de causa.

Pesquisa:Fernando M. Ribeiro

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags