Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

DIA NACIONAL DA CONSCIENCIA NEGRA

November 20, 2017

     O dia 20 de novembro faz menção à consciência negra, a fim de ressaltar as dificuldades que os negros passam há séculos. A escolha da data foi em homenagem a Zumbi, o último líder do Quilombo dos Palmares, em consequência de sua morte. Zumbi foi morto por ser traído por Antônio Soares, um de seus capitães. A localização do quilombo ficava onde é hoje o estado de Alagoas, na Serra da Barriga.
O Quilombo dos Palmares foi levantado para abrigar escravos fugitivos, pois muitos não suportavam viver tendo que aguentar maus tratos e castigos de seus feitores, como permanecerem amarrados aos troncos, sob sol ou chuva, sem água e sofrendo com açoites e chicotadas. O local abrigou uma população de mais de vinte mil habitantes.

          

 

Ao longo da história, os negros não foram tratados com respeito, passando por grandes sofrimentos. Pelo contrário, foram escravizados para prestar serviços pesados aos homens brancos, tendo que viver em condições desumanas, amontoados dentro de senzalas. Muitas vezes suas mulheres e filhas serviam de escravas sexuais para os patrões e seus filhos, feitores e capitães do mato, que depois as abandonavam.

        As casas dos escravos eram de chão batido, não tinham móveis nem utensílios para cozinhar. As esposas dos barões é quem lhes concedia alguns objetos, para diminuir as dificuldades de suas vidas. Nem mesmo estando doentes eram tratados de forma diferente, com respeito e dignidade. Ficavam sem remédios e sem atendimento médico, motivo pelo qual inventaram medicamentos com ervas naturais, ações aprendidas com os índios durante o período de colonização.

       Algumas leis foram criadas para defender os direitos dos negros, pois muitas pessoas não concordavam com a escravização. A Lei do Ventre Livre foi a primeira delas, criada em 1871, concedendo liberdade aos filhos dos escravos nascidos após a lei. No ano de 1885, criaram a Lei dos Sexagenários, dando liberdade aos escravos com mais de sessenta anos de idade. Porém, com a Lei Áurea, assinada pela Princesa Isabel em 13 de maio de 1888, foi que os escravos conquistaram definitivamente sua liberdade.

        O grande problema dessa libertação foi que os escravos não sabiam realizar outro tipo de trabalho, continuando nas casas de seus patrões, mesmo estando libertos. Com isso, a tão esperada liberdade não chegou por completo. As oportunidades de vida que tiveram eram limitadas apenas aos trabalhos pesados, como não haviam estudado e não aprenderam outros ofícios além dos braçais, porém, alguns conseguiram emprego no comércio.

      O dia da consciência negra surgiu para lembrar o quanto os negros sofreram, desde a colonização do Brasil, suas lutas, suas conquistas. Mas também serve para homenagear àqueles que lutaram pelos direitos da raça e seus principais feitos. Ao meu ver, serve como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano no desenvolvimento da identidade da cultura brasileira. Penso que também em Cachoeira Alegre, deveria se fazer algo nesse sentido, haja vista o grande índice de negros no nosso município. Encontros para se discutir o preconceito racial que sofreram e ainda sofrem, pois ele persiste. A inferioridade da classe no meio social, as dificuldades encontradas no mercado de trabalho, a marginalização e discriminação, tratando-se também de temas como a beleza negra, moda, conquistas, etc.

     Na primeira missa de domingo, na Matriz São Paulo, o padre Átila falou em sua homilia dessa desigualdade, desse preconceito tão arraigado no brasileiro. “Precisamos uma tomada de consciência, rever nossos conceitos. Muitos contam piadas, fazem piadas, riem como se os negros não fossem nossos irmãos. Isso é de uma crueldade tamanha e, nós cristão não devemos agir assim, nem mesmo rir de que assim o faz. Pelo contrário, devemos recrimina-los. Essa atitude de racismo e preconceito não combina com o nome e nossa condição de cristão”, disse o padre.

      

 

Uma Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) calculou que 161 mil sergipanos se declararam negros. O estudo é contínuo e o resultado citado é referente ao 3º trimestre de 2017. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a estimativa da população total é de mais de 2,2 milhões de habitantes em Sergipe neste ano.

        Em Muriaé na manhã desta segunda-feira (20), em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra, foi realizada a III Caminhada pela Igualdade Racial, idealizada pela Superintendência Regional de Ensino de Muriaé, com apoio das escolas estaduais. Este ano a caminhada iniciou na Pracinha da Prefeitura e foi até ao Centro Administrativo. Mesmo com a chuva, um grande público participou da comemoração da importante data. 

A foto acima - Estátua em homenagem à Zumbi dos Palmares localizada no Pelourinho na cidade de Salvador - As demais fotos, foram gentilmente cedidas pelo site: silvanalves.com

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags