Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

O TRABALHO ENTRE O INTERESSE E A VOCAÇÃO

          A realização pessoal depende de a gente fazer alguma coisa na vida. Ficar sem fazer nada por um tempo é descanso, mas se for muito tempo é frustrante. Aí começamos a descobrir que existimos interagindo com o lado exterior de nós mesmos, com outros seres, especialmente com as pessoas. Nesta relação nos realizamos.

        Então, pode-se dizer que há sempre um interesse em tudo o que fazemos. Nisto vem outra pergunta, se o interesse por nós mesmos basta para nos realizar. Com um pouco de lógica podemos entender que ficar amarrado a si mesmo impede o desenvolvimento pessoal e a gente só fica se repetindo. É preciso ir além de si para se desenvolver, se realizar. Em ouras palavras, o que fazemos tem um sentido mais completo e realizador quando comunicamos algum bem fora de nós, ao ambiente, às pessoas. A palavra vocação quer dizer exatamente este chamado a sairmos de nós mesmos.

          

 

Jesus anuncia a Boa Nova de Deus no mundo exatamente chamando as pessoas a saírem de uma mentalidade egoísta e se preocuparem com o interesse que todos têm em serem felizes. Essa vocação dos discípulos é essencial para o Cristianismo. Sem atender a ela, nem uma das vocações específicas, nem para os diferentes serviços na Igreja, nem para as atividades profissionais em sociedade tem um sentido cristão.

       Os tempos modernos acentuaram a tendência de fazer dos serviços, funções e trabalhos um interesse particular, fonte de renda, status, poder. Até os serviços religiosos às vezes caem por esse lado. É interessante ver a origem das palavras mercadoria, mercado, comércio. Todas derivam da palavra latina mercês, que significa dom ou benefício, e daí também a Nossa Senhora das Mercês.

           Uma mercadoria quer dizer um dom ou benefício que o trabalho de alguém oferece à sociedade. O mercado é o lugar que oferece muitos desses diferentes dons e benefícios, e o comércio (com-merces) é a troca que fazemos entre os dons que temos a oferecer.

       Perdendo esse sentido fundamental, esquecemos o quanto dependemos uns dos outros para existir; e o que seria um benefício de nossa atividade para os outros, passa a ser antes uma chance de os explorar. Assumindo o fundamento da moral cristã, nosso agir vai estar sempre aberto ao bem dos outros e não apenas de nós mesmos. Jesus diz: “Quem quiser ser o maior, seja aquele que serve”. (Mateus 20.17-28).

Pe. Marcio Fabri dos Anjos.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags