Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

ANJOS DE DEUS: SÃO MIGUEL PRÍNCIPE DOS ANJOS E DAS ALMAS

 

HISTÓRICO DA QUARESMA DE SÃO MIGUEL ARCANJO

       São Francisco foi um santo que na sua vida mortal procurava nutrir a sua alma, para não esfriar o seu amor por Jesus, um espírito de oração e sacrifício muito grande. Tal era que ele realizava três quaresmas por ano, além de um outro período de oração e jejum em honra à Mãe de Deus, pela qual tinha um doce e especial amor, que ia da festa de São Pedro e São Paulo até a festa da Assunção.

        Foi de um modo muito especial que, na Quaresma de São Miguel, Deus coroou Francisco de graças abundantes, dentre elas, a de marca-lo em seu corpo, pelo profundo desejo de imitar o Seu Filho Jesus Cristo, com os sinais de Sua Paixão. Todas essas quaresmas eram realizadas no Monte Alverne. Alverne vem de “vernare”, verbo utilizado por Dante e que significa “fazer frio”. São Boaventura diz em sua Legenda Maior, em seu capítulo 9, parágrafo 3 dos escritos biográficos de São Francisco: “um vínculo de amor indissolúvel unia-o aos anjos, cujo maravilhoso ardor o punha em êxtase diante de Deus e inflamava as almas dos eleitos”. Por devoção aos anjos, celebrava uma quaresma de jejuns e orações durante os quarenta dias que seguem a Assunção da Virgem Maria.

          São Miguel, a quem cabe o papel de introduzir as almas no Paraíso, era objetivo de uma devoção especial, em razão do desejo que tinha o santo de salvar todos os homens. Era do conhecimento de Francisco a autoridade e o auxílio que o Arcanjo Miguel tem em exercício das almas, em salvá-las no último instante da vida e o poder de ir ao purgatório para retirá-las de lá.

            Esse era o principal motivo pelo qual Francisco realizava a sua quaresma e isso nos é relatado na Legenda Terusina nº 93 de sua biografia, na qual, o santo vai dizer no ano 1224, ano em que recebeu os estigmas ao visitar o Monte Alverne em visita ao Cemitério. “Para a honra de Deus, da Bem-aventurada Santa Virgem Maria e de São Miguel, príncipe dos anjos e das almas, quero fazer aqui uma quaresma”. E realizou sua primeira quaresma em honra de São Miguel Arcanjo.

        Naquele mesmo ano, estando Francisco, a rezar no Monte Alverne, relata a Legenda Menor de sua biografia, em sua primeira quaresma em honra do glorioso Arcanjo Miguel, sentiu ele, com maior abundancia do que nunca, a suavidade da contemplação celeste, o ardor dos desejos sobrenaturais, a profusão das graças divinas, transportado até Deus,num fogo de amor seráfico e transformados pelos arroubos de uma profunda compaixão, naquele que, em seu extremo de amor, quis ser crucificado.

        Orava numa manhã, numa certa parte do monte. Aproximava-se a festa da Exaltação da Santa Cruz, quando ele viu descer dos céus, um serafim de seis asas flamejantes, o qual, num rápido voo, chegou perto do lugar onde estava o homem de Deus. A personagem apareceu-lhe não somente munida de asas, mas também crucificada, mãos e pés estendidos e atados a uma cruz. Duas asas elevavam-se por cima de sua cabeça, duas outras estavam abertas para o voo, as duas últimas cobriam-lhe o corpo.

          Tal aparição deixou Francisco mergulhado num profundo êxtase, enquanto em sua alma se mesclavam a tristeza e a alegria: uma alegria transbordante ao contemplar Cristo que se manifestava de uma forma tão milagrosa e familiar, mas ao mesmo tempo, uma dor imensa, pois a visão da cruz transpassava sua alma com uma espada de dor e de compaixão. Francisco compreendeu então que o sofrimento da paixão, de modo algum pode atingir um serafim que é um espírito imortal. Mas esta visão lhe fora concedida para ensinar que não era o martírio do corpo, mas o amor que o incendiou a alma que deveria transformá-lo, tornando-o semelhante a Jesus crucificado.

        Após a conversação familiar, que nunca foi revelada aos outros, desapareceu aquela visão, deixando-lhe o coração inflamado de um ardor seráfico, e imprimindo-lhe na carne a semelhança externa com o crucificado, com a marca de um sinete na cera que o calor do fogo fez derreter. Logo, começaram, com efeito, em suas mãos e pés, as marcas dos cravos.

          Quando o verdadeiro amor transformou o amigo de Cristo na semelhança daquele que ele amava, terminados os quarenta dias previstos no monte e na solidão. Chegou a festa de São Miguel; e Francisco, homem evangélico, desceu do Monte trazendo a imagem do crucificado, não esculpido em tábuas de pedra ou madeira, pela mão de algum artista, mas reproduzida em sua própria carne pelo dedo do Deus vivo.

Francisco, para não se igualar a Jesus, que ficou quarenta dias e quarenta noites em jejum total, comeu ao final daqueles dias um pedaço de pão e bebeu água, pois se achava indigno de se igualar a Jesus.

Devocionário de São Miguel Arcanjo.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags