Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle

December 3, 2019

Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

FESTA DA EUCARISTIA: CORPUS CHRISTI NA MATRIZ EM CACHOEIRA

 

CORPUS CHRISTI: FESTA DA EUCARISTIA

     A solenidade de Corpus Christi é celebrada em todo o mundo. Em Cachoeira Alegre, a Paróquia de São Sebastião preparou uma celebração especial para a Festa da Eucaristia, nesse domingo, 31 de maio de 2018. Católicos de todo o município puderam participar das cerimônias que foram realizadas nas diversas Igrejas e capelas da paróquia.        

     

 

     Na Matriz São Sebastião celebrou-se o Sacramento do Corpo e Sangue de Jesus Cristo pela manhã. Ás 07:30 horas, os fiéis começavam a chegar e, observavam atentamente, a decoração das ruas. Os automóveis eram deixados na Praça Olavo Carlos dos Santos, para não danificar o belo tapete que fora confeccionado pelos fiéis, na noite anterior e na madrugada de hoje; para a passagem do Santíssimo Sacramento. 

       Às 08:00 horas, foi presidida a Santa Missa, pelo pároco João Pedro de Melo e animada pelo coral São Sebastião. A Igreja-matriz, novamente ornamentada para mais uma festa, recebeu um grande número de fiéis. À porta principal, um grande arco repleto de balões nas cores amarelo e branco - são as cores da bandeira do Vaticano - e o belíssimo tapete que se estendia até o altar-mor.

    Depois, seguindo a tradição, formou-se uma grande procissão, que caminhou pelos coloridos tapetes de flores, serragens, borra de café, farinhas, areia, sal e outros materiais de vários tipos com os quais foram confeccionados e, que enfeitaram o caminho. Nesse percurso, todos cantando, rezando e adorando a Jesus na Hóstia Santa, receberam as três bênçãos que o sacerdote dá.       

   Tapetes que ornaram todo o trajeto por onde passou Jesus no Sacramento da Eucaristia, sob o palio, conduzido pelo sacerdote, numa caminhada, percorrendo as ruas Luiz Soares Dias, contornando a Praça  da Matriz e retornando pela Rua Alves Pequeno até o alto da colina. Na chegada da procissão, já no presbitério, Padre João deu mais uma bênção  com o Santíssimo Sacramento, as crianças subiram ao altar para a homenagem a Nossa senhora, numa singela coroação.

      É uma festa que se celebra no País inteiro, mais especificamente, no mundo inteiro. Para nós, cristão, é uma enorme alegria celebrar esse dia. Nessa data de Corpus Christi, Jesus deixa o sacrário e sai às ruas, para caminhar conosco. Caminhar pelas ruas de nossa Cachoeira Alegre, onde podemos vê-Lo, falar com Ele, adorá-Lo, aplaudi-Lo. Que felicidade! Qual outra festa nos oferece algo de tão extraordinário? 

     

 

                                 EM SINTONIA COM A VIDA DA IGREJA

       A festa que hoje celebramos, teve sua origem em Liége, na Bélgica, no século XIII. A freira Juliana de Mont Cornillon teve várias visões nas quais Jesus lhes pedia uma festa em honra da Eucaristia. O centro da celebração é o Santíssimo Corpo e sangue de Cristo doado por amor, tornando-se comida e bebida a todos os homens e mulheres para terem sempre vida nova.

      Na oração da Missa própria desse dia, reza-se: “Senhor Jesus Cristo, neste admirável Sacramento nos deixastes o memorial da vossa paixão. Dai-nos venerar com tão grande amoro mistério do vosso Corpo e do vosso sangue, que possamos colher continuamente os frutos da vossa redenção”.

     Ao longo da história, a celebração se tornou popular com grandes procissões pelas ruas ornamentadas com tapetes feitos pelos devotos com desenhos ligados à Ceia do senhor e outros tantos episódios da vida de Jesus.  Como não poderia ser diferente, o Portal Novo Tempo preparou um artigo especial sobre a celebração de Corpus Christi, de modo que nossos leitores possam também evangelizar e estar sempre em sintonia com a vida da Igreja. Que conheçamos mais da Palavra de Deus, de nossa Igreja, de modo que o Evangelho possa ser anunciado para além dos muros de nossa Matriz, atingindo a grande sociedade, através dos diferentes meios de comunicação como o nosso informativo e pelo anúncio explícito que acontece nas celebrações em nossa paróquia.

       Já publicamos aqui o Milagre Eucarístico que se deu em Lanciano, creio que nossos leitores puderam ler e devem se lembrar bem desse fato que marcou a Igreja católica e os cristãos de um modo geral. Hoje falaremos de um outro milagre não menos importante: Esse fato que não é tão conhecido quanto o já mencionado, é denominado o Milagre Eucarístico de Faverney. Você já ouviu falar em Faverney. Certamente um franzir de testa demonstra que não. Pois é, é este o lugar onde aconteceu o milagre. É uma cidade da França onde existia, na época do milagre, uma abadia de monges beneditinos.

                                       O MILAGRE DE FAVERNEY

 Para acalorar a vida espiritual dos paroquianos, os monges motivaram atividades religiosas e, nelas, com certa frequência, a exposição do Santíssimo Sacramento. Numa destas feitas, por ocasião de Pentecostes, foi promovida uma adoração e, no ostensório, pela largueza da luneta, os monges colocaram duas partículas. Foi um dia de festa e júbilo.

     Após a adoração, ao recolherem-se à noite, os monges deixaram, sobre o altar, velas acesas próximas ao ostensório. No dia seguinte, ao abrir a capela, o sacristão viu as chamas do fogo destruindo tudo, porém, elas não atingiam o ostensório com as hóstias, porque ele estava suspenso no ar.

    A notícia espalhou-se rapidamente e de vários lugares as pessoas vinham para contemplar o milagre. O ostensório manteve-se assim por quase dois dias até o momento da consagração na Santa Missa, rezada num altar improvisado, quando ele pousou lentamente sobre o altar.

     Em 1794, durante a Revolução Francesa, a segunda hóstia que havia sido doada à Igreja de Dole foi destruída pelos revolucionários. Depois de colher testemunhos e informações, o Papa Paulo V reconheceu a autenticidade do milagre e promulgou uma bula pontifícia contendo as indulgências em relação ao milagre.

A FÉ: A fé surpreende, mobiliza e fortalece. Foi o que aconteceu com aquela comunidade, que antes estava apática em relação à sua história de fé. Foi necessário um acontecimento diferente e inusitado para que ela redescobrisse a Jesus. A fé de um povo, é a sua salvação, e por ela, o povo demonstra a grandeza de deus mesmo nas coisas mais simples da vida. Por isso é sempre bom perguntar: o que me tem feito redescobrir Jesus? O relato desse milagre foi extraído da Revista Brasil Cristão.

Fernando M. Ribeiro

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags