Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

A PRIMEIRA MISSA DE SANTA DULCE DOS POBRES

October 20, 2019

UMA FESTA NA FONTE NOVA: 

  O Estádio da Fonte Nova, na Bahia, recebeu, aproximadamente, setenta mil pessoas em suas dependências. Arquibancadas lotadas, do lado de fora do estádio era grande também a movimentação. Não. Eu não estou falando de uma partida de futebol entre Bahia e Vitória, não é o clássico Bavi que gerou toda essa movimentação em torno do Estádio.

       Trata-se da Primeira Missa, em honra à Santa Dulce dos Pobres. A primeira santa brasileira, é a freira Irmã Dulce que ingressou em 08 de fevereiro de 1933, na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe.

       Vamos conhecer mais um pouquinho de nossa santa brasileira. Uma história de amor pelo povo brasileiro.

 

HISTÓRIA DE AMOR PELO POVO BRASILEIRO

      Aos sete anos, em 1921, perde sua mãe Dulce, que tinha apenas 26 anos. No ano seguinte, junto com seus irmãos Augusto e Dulce (a querida Dulcinha), faz a primeira comunhão na Igreja de Santo Antônio Além do Carmo.

       A vocação para trabalhar em benefício da população carente teve a influência direta da família, uma herança do pai que ela levou adiante, com o apoio decisivo da Irmã, Dulcinha. Aos 13 anos, graças ao seu destemor e senso de justiça, traços marcantes, revelados quando ela era bem novinha, Irmã Dulce passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família, na Rua Independência, 61, no bairro de Nazaré, num centro de atendimento.

        A casa ficou conhecida como “A Portaria de São Francisco", tal o número de carentes que se aglomeravam a sua porta. Também é nessa época que ela manifesta pela primeira vez, após visitar com uma tia, áreas onde habitavam pessoas pobres, o desejo de se dedicar a vida religiosa.

       Em 08 de fevereiro de 1933, logo após a sua formatura como professora, Maria Rita entra então para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Em 13 de agosto de 1933, recebe o hábito de freira das Irmãs Missionárias e adota, em homenagem à sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

 

MISSÃO PELO AMOR DE DEUS

       A primeira missão de Irmã Dulce como freira, foi ensinar em um colégio, mantido pela sua Congregação, no bairro Massaranduba, na cidade baixa, em Salvador. Mas, o seu pensamento estava voltado mesmo para o trabalho com os pobres. Já em 1935, dava assistência à comunidade pobre de Alagados, conjunto de palafitas que se consolidara na parte interna do bairro de Itapagibe.

        Nessa mesma época, começa a atender também os operários que eram numerosos naquele bairro, criando um Posto Médico e fundando em 1936, a União Operária São Francisco – primeira organização operária católica do estado, que depois deu origem ao círculo operário da Bahia.

       Em 1937, funda, juntamente, com Frei Hildebrando Kruthaup, o círculo operário da Bahia, mantido com a arrecadação de três cinemas que ambos haviam construído através de doações – o Cine Roma; o Cine Plataforma e o Cine São Caetano. Em maio de 1939, Irmã Dulce inaugura o Colégio Santo Antônio, escola pública voltado para operários e filhos de operários, no bairro Massaranduba.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags