Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

BRASIL E SEUS MELHORES JOGADORES DE TODOS OS TEMPOS

        Nosso portal carece de um especialista em esportes, para assinar uma coluna onde, se fizesse uma resenha do futebol cachoeirense e da região, com suas competições oficiais, os amistosos e suas conquistas. Bem sei que o futebol ainda é a maior paixão popular do brasileiro, de modo que nossos leitores cobram desse informativo algo nesse sentido. Outra vez, volto a dizer que aqueles que desejarem colaborar, enviando material informando de seus clubes no município, nós agradecemos e publicaremos aqui.

       Enquanto isso, continuemos com a nossa coluna mensal, destacando os grandes craques do futebol brasileiro. Paralelamente, o Brasileirão segue, com o Flamengo em busca de mais um título brasileiro, garantindo a liderança e o Palmeiras o persegue em segundo lugar. A briga para ficar no G4 ou entre os seis primeiros colocados, para assegurarem o direito de disputarem a Taça Libertadores do próximo ano e a Copa Sul Americana também está bastante interessante; além das equipes que se encontram lá em baixo na tabela, com o risco de serem rebaixadas para a série B no ano vindouro.

       Muitos dizem Zona da Degola, Zona da Confusão ou coisas parecidas, na verdade, aqueles que até a última rodada estiverem no Z4, (os quatro últimos colocados) definitivamente estarão rebaixados para a série B. Através da grande mídia esportiva, nossos leitores vão em busca de informações sobre os seus clubes. Os rubro-negros por exemplo, estão felizes que disputarão com o River Plate da Argentina, a final da Taça Libertadores, em partida única, no próximo dia 23 na cidade de Lima, no Peru. Nesse mês, a coluna trás para nossos leitores: Leovegildo Lins Gama Júnior. Você sabe quem é ele?

Nota do Redator

 

 

 

Nome: Leovegildo Lins Gama Júnior.

Nascimento: 29/06/1954, em João Pessoa – PB.

Clubes: Flamengo (1974-1986), Torino – ITA (1984-1987), Pescara – ITA (1987-1989), Flamengo (1989-1993).

Seleção Brasileira: 1979-1992 (69 jogos, 6 gols).

        Você pode guardar na memória uma série de grandes momentos de Júnior pela Seleção Brasileira. Ele mesmo os carrega na lembrança. O gol da vitória sobre a Alemanha, no Maracanã, em 1982. Ou o gol contra os alemães num amistoso disputado em Stuttgart, um ano antes. Qualquer glória com a camisa da Seleção será ofuscada pelo brilho de Júnior com a camisa 5 do Flamengo, na campanha do Brasileirão de 1992.

       Dizem que Garrincha e Maradona carregaram sozinhos suas seleções para a conquista de mundiais, em 1962 e 1986. Pois, se Júnior não foi sozinho o responsável pelo quinto título nacional do Flamengo, até mesmo os craques que dividiram com ele aquela campanha reconhecem que o time não teria o mesmo sucesso não fosse seu maestro. – Naquele ano, Júnior jogou demais! Avalia o meia Zinho, coadjuvante de luxo.

       A imagem definitiva veio no primeiro jogo da decisão contra o Botafogo. O Flamengo eliminara o Vasco, melhor equipe do Torneio. Mesmo assim, chegara como azarão contra o Botafogo, com a segunda melhor campanha. Até Júnior marcar, de falta, o primeiro gol da decisão. E na sequência, aplicar uma série de dribles desconcertantes em Renato Gaúcho, símbolo da superioridade técnica dos brasileiros sobre os rubro-negros. Superioridade até aquele momento.

       Júnior começou a encantar naquele Brasileirão 92, ainda na primeira fase. Especialmente ao destruir o Corinthians no Pacaembu, numa vitória por 3 x 1 em que só não fez cover. Na decisão, além de ter marcado o gol de falta nos 3 x 0 do primeiro jogo, fez o gol que abriu o empate por 2 x 2 na finalíssima, o jogo do quinto título brasileiro do Flamengo.

       Naquele ano, era meia armador clássico, daqueles que jogam de cabeça erguida e vislumbram a jogada infalível a quilômetros de distância. Até chegar ao meio de campo, jogou em todas no Flamengo. Em 1974, fez o gol do título da Taça Guanabara, num tiro, que enganou o goleiro Rogério, do América. Quando o Flamengo contratou o lateral Toninho, em 1977, Júnior foi deslocado para o lado esquerdo. Sofreu.

       Primeiro, porque não tinha pé esquerdo para fazer os cruzamentos com a mesma competência que no lado oposto. Segundo, porque os críticos não tiveram a paciência necessária. Em 1978, o Flamengo foi goleado por 5 x 2 pelo Grêmio, e Júnior apontado como responsável pelo fracasso. – Esse não pode ser o lateral, decretou o comentarista Washington Rodrigues. No ano seguinte, Júnior estava na Seleção Brasileira. Mas só senti que era dono do terreno, em 1982, na decisão do Brasileirão. O Flamengo perdia por 1 x 0 e fiz o lançamento para o gol de Zico com o pé esquerdo, disse ele.

       No Flamengo, também jogou de zagueiro, na volta da Itália, em 1989. Mas o meio de campo foi a sua praia a partir da chegada ao Torino em 1984. Até abandonar a carreira, no início de 1993, já com a glória de ter levado o Flamengo ao quinto título brasileiro (quinto troféu nacional). Júnior jogou muito, e em todas as posições em que foi escalado. A melhor palavra para defini-lo seria versatilidade. Seria, se o dicionário não incluísse a palavra craque.

André Kfouri e Paulo V. Coelho

      “Hoje, o maestro Júnior, é comentarista esportivo da Rede Globo de TV. Quando encerrou a carreira, recebeu convite de uma TV Italiana, para a mesma função, mas recusou-se. Quem primeiro ouvi dizer: “A camisa do Flamengo é minha segunda pele”, foi o Júnior. Assim como Zico, ele só atuou pelo Flamengo, aqui no Brasil. Em relação às suas análises esportivas, creio que seja bastante eficiente, demonstra equilíbrio e imparcialidade, mesmo tendo feito essa declaração, me parece que comenta com isenção. E não são todos os que se comportam assim. A imprensa paulista está cheia de exemplos contrários. Acho que nem é necessário citar o Neto e Cia.

       Júnior gravou também um Compacto com duas músicas para embalar a Seleção da Copa na Espanha. Vendeu muitas cópias e foi muito executada, chegou a se apresentar em programas de TV. Mas com o insucesso da seleção naquele ano, o disco sumiu das lojas e das rádios. Outro dia o ouvi fazendo brincadeira relacionada a esse momento. A música era: “Voa canarinho, voa, mostra pra esse mundo o que é de lei. Voa canarinho, voa, mostra na Espanha o que eu já sei...”

Nota do redator:

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags