Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

DIA DO MÚSICO: A HISTÓRIA, MOTIVO DE COMEMORAR E DE PEDIR A SANTA CECÍLIA QUE INTERCEDA POR CACHOEIRA

       22 de Novembro: Dia do Músico e Dia de Santa Cecília (padroeira dos músicos). O cachoeirense deveria comemorar com júbilo esta data e, ele sabe bem porquê. Além de celebrar esse dia, como gratidão. Devemos também pedir a intercessão de Santa Cecília, para que, com suas convicções, sensibilidade e perseverança; suscite em nossa Cachoeira Alegre, crianças, jovens, senhores e senhoras que se interessem pela música.

       Cachoeira é conhecida de muitos como a terra de maestros, terra da música, de excelentes músicos. Tenho orgulho de dizer que vi, ouvi e me emocionei, aqui, nesse pedacinho de Minas Gerais, um modesto distrito, na Zona da Mata Mineira, com a apresentação, em décadas passadas, de duas Bandas de Música: (ESC) A masculina: Euterpe Santa Cecília e, a feminina: (AAC) Artistas Amadoras de Cachoeira. (quando a denominação dos grupos musicais, são informações obtidas em manuscritos de Rita de Cássia Rodrigues).

 

       Eu era um menino, mas meus ouvidos registraram aquela sonoridade extraordinária e estão guardadas na minha retina, aquelas imagens que ainda hoje me emocionam. Homens e mulheres se apresentando nas ruas de terra dessa Cachoeira Alegre.

       Motivos de sobra para louvar e motivos também para pedir que desperte em nossa gente o desejo de se tocar um instrumento. Eles existem: os instrumentos foram restaurados, estão todos lá. Algumas tentativas foram feitas, no sentido de se formar novos músicos e trazer de volta, às nossas ruas e praças (hoje, asfaltadas) a Banda de Música.

       Extraí do blog de Danilo, a quem dou o crédito, evidentemente, esse artigo fenomenal, que pode, (quem sabe?), de alguma forma estimular alguém a estudar partituras, tocar instrumentar e de cantar ,nos bares da vida, nos bailes da vida, no picadeiro de um circo, na carroceria de um caminhão, nas manhãs frias, na alvorada... “...  às vezes, em troca de pão, que muita gente boa pôs o pé na profissão. Não se importando se quem pagou quis ouvir. Cantar, era buscar um caminho que vai dar pra o sol...” (trecho da belíssima canção, escrita e interpretada por Milton Nascimento). Amo a história de Santa Cecília, tenho cá, minhas devoções. Quando entro em estúdio para gravar (fiz dois CDs) ou participar de trabalhos de outros; não me esqueço de pedir à Santa Cecília, que interceda a Deus por mim. Veja a história:

Fernando M. Ribeiro

 

 

 

A HISTÓRIA E O MOTIVO DE COMEMORAR

“A VOZ MELODIOSA FOI OUVIDA DOS CÉUS”

       Olá pessoal! Danilo, RA da SANTO ANGELO novamente aqui no blog. Iniciei esse texto com uma frase de “A Song for St. Cecilia’s Day”, um poema de 1687 que tem muito a ver com a minha profissão e respectiva área de atuação como profissional de RA.

        Parabéns a todos que comemoram hoje o Dia do Músico.

Antes de ser especial dos músicos, a data foi criada pelos católicos como Dia de Santa Cecília, que é a padroeira (cristã) dos músicos (curiosidade: na mitologia grega, a Musa da Música é Euterpe, Zeus e Mnemósine). Sabe o motivo dela ter se tornado nossa padroeira?

 

ELA CANTOU E PERSEVEROU!

      Segundo a história, Cecília era filha de uma família bem abastada no século II e foi prometida, mesmo à contra gosto, para um casamento arranjado com um rico cidadão de Roma, chamado Valeriano. Todos felizes, menos ela.

       Durante o casamento ela cantou (quer dizer louvou, segundo nossos amigos cristãos) a Deus de todo o seu coração. Dizem que, graças a isso, conseguiu conservar seu celibato, mesmo casando com um pagão que não entendia o cristianismo e levar uma mensagem muito forte para os cidadãos do local onde residia. Essa mensagem perdurou por séculos.

A canção fora tão forte para si mesma naquele dia, que durante sua vida conjugal, fez seu marido e cunhado se converterem ao cristianismo tempos depois.

       O prefeito de Roma, na época, ficou sabendo dessa conversão e exigiu que eles se “desconvertessem” sob pena de morte. A intolerância religiosa era bem comum antigamente (será que só naquela época?). Eles não se converteram e foram executados.

 

       Sozinha, Cecilia também foi chamada a depor, tendo que informar o paradeiro dos tesouros do marido (reconhecidamente um nobre romano). O prefeito perguntou onde ela os tinha guardado e a resposta foi “guardei com os pobres”.

      Sim, ela doou o tesouro aos mais necessitados. Irado com a ação, o prefeito exigiu que ela fosse ao templo e cultuasse os deuses do panteão romano (Júpiter, Marte, Netuno e outros).

 

FOI ESCOLTADA E NO CAMINHO CONVENCEU OS GUARDAS A SE CONVERTEREM.

        Não satisfeito com a dificuldade em tornar Cecília uma pagã, Almachius (o prefeito), mandou trancafiá-la em uma câmara para morrer asfixiada por vapores quentes de água. Ela saiu ilesa, dias depois.

       Esgotadas suas tentativas de tortura cruéis, o prefeito emitiu a sentença de morte por decapitação, sua última e definitiva cartada.

       No dia que foi marcada a sentença em praça pública, Cecília levou três golpes de machado de seu algoz. Para a surpresa de todos, nada de decapitação, porém, o ferimento era mortal. Mesmo assim, por três dias ela viveu.

       Como últimos desejos, pediram que distribuísse sua parte da riqueza de família para os pobres e que transformasse sua antiga casa em uma igreja cristã, desejos prontamente atendidos.

     Que história, não é? Ela foi considerada patrona dos músicos a partir do século XV e desde então, nomeia o dia 22 de novembro como dedicados aos músicos.

        Cada um retira a moral que bem entender dessa história, baseado em suas convicções e valores. Eu entendo que Perseverança, Fé, Convicção, Caráter, Solidariedade e Respeito são só algumas lições que estão ai no texto e na vida de Santa Cecília. Mas enxergo, também, algo mais atual: obstáculos a serem vencidos.

 

OBSTÁCULOS A SEREM VENCIDOS.

        Músicos são pessoas convictas, perseverantes e que exigem respeito (olha que até encaixa), mas a sociedade coloca muitas barreiras sobre nossa profissão.

 

       Assim como, na época do Império Romano, eram os cristãos que sofriam perseguições, mas sua crença sobreviveu, hoje algumas pessoas derrubam barreiras e é em cada vitória que o ofício do músico se alastra.

E o exemplo que o cristianismo deu (nesse episódio) e que ilustra nossa opinião é:

SE VOCÊ ACREDITAR, HÁ DE CONSEGUIR.

O mercado é difícil? Sim. Tem lugar para todo mundo? Não. A sociedade respeita? Mais ou menos. É por isso que admiramos vocês todos, inabaláveis em sua paixão pela música. E com essa história, desejo aos meus (e da SANTO ANGELO, claro) endorsees e à todos vocês que acompanham nosso blog um:

 

FELIZ DIA DO MÚSICO!

Continuem externando suas ideias, colocando em seus instrumentos (qualquer um), compondo e tocando com emoção para trazer, aos ouvidos da humanidade, mais Paz e Alegria com o seu talento e música.

Comemorem e recebam de presente pelo seu dia as boas energias das pessoas que ouvem vocês!

“Keep Playing”, ou em latim: Custodite Ludentibus

Grande abraço e até a próxima.

 22 de novembro de 2015 Santo Angelo 4250 Views 1 Comment Dan Souza, Dia do Músico, história, Música, Santa Cecília

 

A MÚSICA SEMPRE EXISTIU COMO PRODUÇÃO CULTURAL

        "Se pararmos para perceber os sons que estão a nossa volta, concluiremos que a música é parte integrante da nossa vida, uma linguagem de comunicação universal capaz de mudar o estado de humor, de reconduzir o espírito aos sentimentos mais sublimes.

       A música sempre existiu como produção cultural, desde que o ser humano começou a se organizar em tribos primitivas pela África, como parte integrante do cotidiano das pessoas.

      Atualmente, após décadas passadas, a data continua a ser celebrada em todo o planeta com diversas iniciativas que visam divulgar e homenagear essa arte que penetra o mais fundo da essência humana".

Por Jessyca Moreira Borba

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags