Editor: Fernando Mauro Ribeiro - portalnovotempo.com - © 2017 PORTAL NOVO TEMPO CACHOEIRA ALEGRE/MG.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
Please reload

Posts Recentes

       Quando a Palavra toca o coração das pessoas, elas compreendem melhor o amor de Deus por elas. Quando tomados pela misericórdia divina...

CELEBRAMOS NESSE DIA 04, OS 24 ANOS DE IDEALIZAÇÃO DA FUNDAÇÃO

September 4, 2019

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

13: DIA DE SANTA LUZIA: QUE SEMPRE NOS DÊ DOS OLHOS A LUZ

               Nascida na Itália, a protetora dos olhos, Santa Luzia, é exemplo    de       determinação cristã.

         Protetora dos olhos, inspiração para os fieis pela bravura, força e resistência. Acima de tudo, Luzia é luz,  como o significado do seu nome e pelo que ela emana aos fieis. Santa Luzia é muito popular na Igreja católica, principalmente na Itália, onde nasceu, mas também no Brasil. Ela é a padroeira da cidade de Carangola – MG e Mossoró, no Rio Grande do Norte, lugar que recebe, todos os anos, milhares de fiéis que participam da “Festa de Santa Luzia”. Durante o mês de dezembro, eles celebram e revivem a poderosa e inspiradora trajetória da Santa, representada em um espetáculo a céu aberto.

          A história de Santa Luzia, vem da cidade de Siracusa, na Itália, da época da perseguição religiosa importa pelo imperador Diocleciano. Santa Luzia, que nasceu Lúcia, perdeu o pai quando ainda era criança e foi criada pela mãe em uma família muito cristã. Na juventude, conta-se que ele foi prometida a um jovem pagão, mas recusou-se a casar. “Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi fidelidade” teria sido sua frase de recusa.

 

O MARTÍRIO

              Por não ter aceitado o casamento, Luzia foi denunciada como cristã. E foi por essa prova que demonstrou toda sua força e perseverança na fé. Como desejava se manter virgem, o governante ordenou que a carregassem a um prostíbulo, onde deveria ser abusada por vários homens. No entanto, embora Luzia não movesse um dedo, nem dez homens juntos conseguiram levantá-la do chão. Os carrascos, então, jogaram sobre seu corpo resina e azeite ferventes, mas ela continuou viva. Não há um consenso se ela teria arrancado os próprios olhos ou os algozes, mas sabe-se que voltou a tê-los na sequencia. Para que conseguissem enfim matá-la, deram um golpe de espada em sua garganta. Isso aconteceu no ano 304.

               Diante de todo o sofrimento pelo qual foi obrigada a passar, a fé de Luzia, até seu último minuto de vida na Terra, permaneceu inabalável. O Papa São Gregório Magno (590-604) colocou as inscrições em seu túmulo e introduziu a antiga memória litúrgica no Cânon na Missa. No ano 1040, o corpo de Santa Luzia foi levado para Constantinopla. Em 1204, os cruzados venezianos reconquistaram o corpo e o levaram para Veneza, lugar que está até hoje na Igreja de São Jeremias. Algumas pequenas relíquias estão em Siracusa.

             Somente em 1894 o martírio da jovem Luzia foi devidamente confirmado, quando se descobriu uma inscrição em grego antigo sobre o seu sepulcro, em Siracusa, Ilha da Sicília, que trazia o nome da mártir e confirmava a tradição oral cristã sobre sua morte no século IV. Os milagres atribuídos à sua intercessão a transformaram numa das santas auxiliadoras da proteção e é invocada, principalmente, nas orações para obter a cura nas doenças dos olhos.

      Fonte: Jornal do Evangelizador

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags